Laboratório Hidromagnético

RESPONSÁVEL   MsC. Paulo  Roberto Jardim Manso ( )
LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO NONOTECNOLÓGICO E PESQUISAS HIDROMAGNÉTICAS

à Estudo associados às alterações das propriedades físico-químicas da água sob a influência de Linhas de Campo Magnético.

à Desenvolvimento e aplicabilidade de nanocompósitos ferromagnéticos.

As pesquisas sobre a influência das linhas de campo magnéticas sobre as propriedades da água, trabalhadas neste laboratório, objetivam uma contribuição ao complexo sistema do gerenciamento costeiro.

Nanocompósitos ferromagnéticos objetivam aplicação em remediação ambiental e em medicina laboratorial.

Este laboratório está equipado com alguns equipamentos e ferramentas, de porte metalúrgico, para o auxílio à construção de unidades experimentais de pequeno porte, painel de controle e comando para as unidades experimentais. Possui também instrumentos para medida de intensidade e mapeamento de campo magnético (emprestados pelo LabSiN), unidades e sistemas para exposição da água à linhas de campo magnético. Instrumentos e insumos para a determinação de alguns parâmetros da água.

O uso de campos magnéticos estáticos ou campos eletromagnéticos sobre Sistemas Biológicos e/ou não Biológicos é uma linha de pesquisa que ainda apresenta certa controversa na comunidade científica internacional, apesar dos efeitos observados, terem sua constatação sob os rigores científicos. Isto se dá, principalmente porque a água não é um composto magnético e não se conhecem a origem de tais efeitos. Outro fator resulta da de diferentes metodologias experimentais aplicadas e o grande número de variáveis como: gradiente, intensidade campo magnético ou eletromagnético e tempo de exposição entre outras. [(ler mais) aqui, colocar o link “ler mais” e ocultar o restante do texto pra não ficar muito longo no site].

Está bem sólido na literatura científica que os campos magnéticos promovem alteração na cinética de cristalização de íons minerais. No caso dos cristais de carbonato de cálcio, sua formação cristalina em meios aquosos de sistemas de aquecimento (p. ex. caldeiras) ou em sistemas de arrefecimento (p. ex. torres de resfriamento), geralmente a formação destes cristais de cálcio é preferencialmente na forma de calcita. Está caracterizado literatura científica que os cristais de carbonato de cálcio, em presença de campo magnético, se cristalizam, preferencialmente, na forma de aragonia um cristal amorfo que fica em recirculação pela tubulação e não adere às paredes. Existem vários equipamentos disponíveis no mercado para esse fim. Uns com campo magnético estático e outros com campo eletro magnético. Porém, os equipamentos apresentam potência de campo, gradientes, orientações e outras variáveis diferentes entre si, como quem diz: qualquer coisa que for colocada funciona… Portanto, essa diversidade de diferentes equipamentos podem ou não propiciar os efeitos anunciados.

Nosso grupo de pesquisa, a partir do produto tecnológico desenvolvido e mapeado, durante o trabalho de pós-graduação, busca, dentro dos parâmetros mapeados deste produto, desenvolver as seguintes pesquisas:

Influência das linhas de campos magnéticos sobre água de refrigeração de sistemas de troca térmica para evitar a incrustação destes sistemas

O objetivo de nosso trabalho é avaliar a eficiência do tratamento físico da água, com os parâmetros de um campo magnético, de imãs permanentes, mapeado, e verificar sua eficiência, com os rigores científicos, na aplicação em diversas áreas.

desenvolver um equipamento permanente para e propor a substituição e/ou redução do tradicional tratamento químico desta água, cujo efluente gerado, quando a concentração atinja igual a 2[1], é encaminhado, in natura, à rede de água pluvial ou diretamente a um curso d’água.
Viabilidade do uso de campos magnéticos no tratamento da drenagem ácida produzida pela atividade de mineração.

Objetivo: investigar a viabilidade do uso de campos magnéticos para melhorar a eficiência do processo de neutralização das drenagens ácidas geradas na mineração, melhorando a eficiência do processo. (Financiado pela FAPESC)

Níveis de Absorção de UV com a Água sob ação de Linhas de Campos Magnéticos.

Objetivo: investigar a progressão da curva de absorção de UV, em relação ao tempo de exposição da água às linhas de campo magnético estático. Na seqüência, será avaliada esta influência em relação à produção de biomassa de fitoplancton, microalgas e algas. Esta pesquisa se produz em parceria com os Laboratórios: Avaliação Ecotoxicológica, do Departamento de Bioquímica/CCB/UFSC; Ficologia, do Departamento de Botânica CCB/UFSC e de Microalgas Marinhas do Laboratório de Camarões Marinhos CCA/UFSC.

Observação da variação da curva da espectrometria da água em relação ao tempo de exposição ao campo magnético.

A metodologia empregada para a exposição foi em um volume conhecido fazer a água recircular através do campo magnético, em circuito fechado. A água de recirculação foi impulsionada por eletrobomba.

Leituras:

1 – Água, ultra pura, adicionada a cubeta.

2 – Água, ultra pura, colocada para recircular pelo tempo de 90 segundos, sem exposição ao campo magnético.

3 – Água, ultra pura, colocada para recircular por 10 segundo, em presença de campo mangético.

4 – Água, ultra pura, colocada para recircular por 30 seguntos, em presença de campo mangético.

5 – Água, ultra pura, colocada para recircular por 90 segundo, em presença de campo magnético.

6 – À água ultra pura, colocada para recircular por 90 segundo, em presença de campo magnético, foi borbulhado nitrogênio, para expulsão do oxigênio existente.

No ensaio realizado observou-se nítida diferença da curva quando a água foi exposta por 10, 30 e 90 segundos, por meio de circulação fechada, às linhas de campo magnético. Observou-se que, após borbulhar nitrogênio, a curva da água voltou aos padrões da água ultra pura sem recircular pelo equipamento.

 

Viabilidade de uso de campos magnéticos em sistemas hidropônicos.

Objetivo: avaliar a influência sobre o desenvolvimento do cultivo hidropônico, em relação à produção de biomassa, com a solução nutritiva exposta às linhas de campo magnético estático.

A viabilidade do uso de campos magnéticos no tratamento magnético da água de cultivo de macrófitas aquáticas, para tratamento de efluentes.

Objetivo: Avaliar a influência sobre o desenvolvimento, em relação à produção de biomassa e níveis de absorção, destas plantas aquáticas cultivadas em soluções muito pobres de nutrientes, para utilização em tratamento de efluentes.
Influência de campos magnéticos sobre a respirometria de crustáceos, e sobre a fertilização de ostras. Objetivo: A respirometria é um indicador indireto de produção metabólica.

Resulta no desenvolvimento tecnológico de produtos e/ou equipamentos voltados para a aplicação prática. Tratamentos de efluentes, com fontes geradoras variadas, desenvolvimento de sistemas e metodologias com o  princípio do tratamento limpo. Desta forma, nossas pesquisas objetivam não só uma contribuição ao complexo sistema do gerenciamento costeiro, mas, também, para os parcos conhecimentos que envolvem a água tratada por campos magnéticos.  ao fundo marinho e de outros ambientes aquáticos costeiros. Esses organismos realizam um importante papel no funcionamento dos ecossistemas aquáticos, sendo essenciais no ciclo energético e na ciclagem da matéria orgânica e de nutrientes provenientes da coluna d’água e depositados no fundo.

Pesquisa em nanotecnologia com o desenvolvimento e produção de nanocompósitos objetivando aplicações em:

1 – Nanocompósitos para desenvolvimento de Biossensores.

2 – Nanocompósitos para Limpeza Ambiental. (Tratamento, descontaminação e/ou remediação de água).

3 – Nanocompósitos para aplicação em Medicina Laboratorial – novas Metodologias e Tecnologias Diagnósticas para Tuberculose.

Formação técnica de nível médio em Medicina Laboratorial. Graduado em Biomedicina. Desenvolveu atividades profissionais ligadas à Medicina Laboratorial até 1982. A partir daí, passou a exercer atividades da Indústria Agropecuária, produzindo insumos à indústria de laticínios, onde desenvolveu novos processos de produção e equipamentos que geraram 02 depósitos de patente (PI). A partir de 1998 passou a  trabalhar com Campos Magnéticos para fins de tratamento de água industrial em alternativa ao tradicional tratamento químico. Concluiu,  em 2006, Mestrado na Engenharia de Produção e Processos da UFSC, desenvolvendo trabalho sobre se a Água sobre Influência das Linhas de Campos Magnéticos exerceria Influência Biológica sobre a Metamorfose e Sobrevivência de Larvas de Camarão. Houve influência e o equipamento desenvolvido também gerou um pedido de patente. Desde então, a convite do Orientador (Coordenador do NEMAR/UFSC) e da Co-orientadora (Coordenadora do LabSiN/UFSC), é integrante do grupo de pesquisa de ambos, atua como pesquisador colaborador, onde, no NEMAR, além de ter desenvolvido um produto tecnológico para eliminar o desperdício de água de sistemas de destilação, objeto de patente, desenvolve pesquisa em nanotecnologia com o desenvolvimento e produção de nanocompósitos objetivando aplicações em:

1 – Nanocompósitos para desenvolvimento de Biossensores.

2 – Nanocompósitos para Limpeza Ambiental. (Tratamento, descontaminação e/ou remediação de água).

3 – Nanocompósitos para aplicação em Medicina Laboratorial – novas Metodologias e Tecnologias Diagnósticas para Tuberculose.

Parcerias:
Profª. Dra. Maria Luisa Sartorelli – LabSiN/CFM/UFSC
Prof. Dr. Carlos Henrique Soares – Ecotoxicologia/Bioquimica/CCB/UFSC
Prof. Dr. Jorge Barcelos – LabHidro/CCA/UFSC
Prof. Dr. Roberto Bianchini Derner – LCM/CCA/UFSC
Prof. Dr. Paulo Antunes Horta Jr. Botânica


[1] Uma parte de água e outra igual de produtos químicos